quarta-feira, 16 de maio de 2012

Amor incondicional?


Quando se fala na relação entre pais e filhos há uma expressão que é basicamente sempre utilizada, o amor incondicional. Praticamente todos nos dizemos que sentimos amor incondicional pelos nossos filhos. Poucas são as pessoas que realmente refletem sobre como expressam esse amor incondicional, como ele é passado, e experienciado, pelos filhos. 
Como sabes que os teus filhos sentem o teu amor incondicional? Qual a forma que os teus filhos têm para avaliar o teu amor?

Isso mesmo, através do teu comportamento e a tua comunicação (as palavras, o tom de voz e a não-verbal). 

A única forma que temos de mostrar o nosso amor incondicional é através de essas duas ferramentas, o nosso comportamento e a nossa comunicação.


Nos meus seminários costumo falar sobre como os nossos filhos (e outras pessoas também!) podem sentir o nosso amor. Podemos dividir o nosso comportamento e a nossa comunicação em três formas.

Amor Incondicional
Comportamento e comunicação que vêm do amor incondicional, e que é interpretado pelos nossos filhos como amor incondicional é reinado pela sensação de igual valor. Tu e eu, todos, temos igual valor. As nossas opiniões, as nossas emoções e sensações, as nossas necessidades e vontades, têm todos igual valor. Na relação pais e filhos isso não quer dizer que a criança consegue sempre o que quer, só quer dizer que a criança sente que é respeitada, vista, ouvida e reconhecida.

Uma criança que é tratada com amor incondicional sente empatia, confiança e segurança. Aprende que há uma diferença entre aquilo que faço e aquilo que sou. Sente que é amada independentemente do comportamento certo e errado, se tem resultados bons ou menos bons na escola, no desporto.

Amor Condicional
A avaliação, os elogios, os prémios e as recompensas, as ameaças, as consequências são todas coisas que o inconsciente da criança vai interpretar como amor condicional. Só me amam se… Quando dizemos ao nosso filho que se ele se portar-bem, vai ter um gelado ou se ele não comer a sopa toda, vai diretamente para a cama, estamos a ter um comportamento que vem de um sítio onde reina o amor condicional.

Crianças que vivem num ambiente com muito amor condicional tornam-se dependente dos elogios, das recompensas e dos prémios. Acham muitas vezes que a vida é uma competição, querem sempre ser melhor que os outros e sofrem quando não são. É normal que se tornem mais egocêntricas e focam se muito no certo e errado.

Sem amor
Acho que a maioria de nós já tivemos comportamentos que os nossos filhos interpretaram como comportamento sem amor. Gritos, castigos… palmadas. Mas sem amor também pode ser silêncio, ignorância, total ausência e desinteresse. Aqueles momentos em que o nosso filho quer a nossa atenção mas estamos demasiado ocupados a ver o feed do facebook... São todos exemplos de comportamento sem amor. Podemos ter as melhores intenções, mas o que realmente interessa é a forma como o inconsciente do nosso filho interpreta aquilo que estamos a fazer e dizer.  Uma criança que cresce num ambiente dominada pelo comportamento com falta de amor costuma-se tornar insegura, sente-se inferior, sente culpa e vergonha e normalmente acontece uma de duas coisas, ou torna-se invisível, ou torna-se muito extrovertida, desafiante e "difícil". 

Claro que são poucas as crianças que vivem num mundo extremo onde reina só um destes tipos de comportamento. A maioria de nos fazemos de tudo, mais ou menos. 

O teu filho sente o teu amor incondicional a maior parte do tempo? 
É uma boa pergunta para nós fazermos. Admito que há momentos, embora poucos, em que os meus filhos podem ter algumas dúvidas.... 

O mais importante é termos sempre em mente é que a autoestima dos nossos filhos será determinada pela mescla de comportamentos onde ela cresce. A questão é, temos sempre uma escolha. Queremos uma criança confiante, feliz, com boa autoestima ou não?

Sem comentários:

Publicar um comentário